Mitos e verdades sobre os alimentos afrodisíacos

about

Quantas vezes você já ouviu falar que o amendoim aumenta  o desejo sexual ou que as ostras são afrodisíacas? Pode ser até conversa de boteco, mas muitos possuem propriedades que podem ser associadas a sua dieta. Nesse artigo vamos ver como a importância do cuidado com sua dieta e que alimentos podemos ingerir para auxiliar no tratamento de alguma disfunção , ou até mesmo para dar aquele “up” que você precisa.

Sabemos que a  disfunção sexual masculina é definida como uma condição física ou psicológica que impede o homem de atingir a satisfação sexual na qual engloba a disfunção erétil, ejaculação precoce e a perda de libido. Algumas das várias dietas existentes mais comuns foram testadas e mostradas seus resultados quanto a homens com problemas de disfunção erétil associada ou não a outros tipos de doenças como, doenças cardiovasculares, obesidade, síndrome metabólica, acidente vascular cerebral, doença renal crônica e tumores.

Indivíduos com riscos cardiovasculares apresentam maior prevalência de Disfunção Erétil e a fisiopatologia desta disfunção parece compartilhar com doença aterosclerótica (acúmulo de placas de gordura, colesterol e/ou outras substâncias nas paredes das artérias, restringindo o fluxo sanguíneo podendo levar a graves complicações de saúde). A dieta tem mostrado um papel importante na diminuição do risco de doença cardíaca congestiva, por isso é sensato supor que a dieta pode desempenhar um papel na disfunção erétil. A relação entre dieta e disfunção erétil tem sido abordada em vários estudos. Diversos estudos têm associado maior adesão à dieta mediterrânea ou alguns componentes da dieta mediterrânea como, frutas, vegetais, nozes e gorduras monoinsaturadas a uma menor prevalência de disfunção erétil. Em um estudo, homens com síndrome metabólica e disfunção erétil foram colocados na dieta mediterrânea e tiveram uma melhora na disfunção erétil após 2 anos de dieta. Além disso, homens que já apresentavam essa condição recuperaram a sua função erétil.

Pesquisas recentes sugerem que a dieta mediterrânea melhora a disfunção erétil em curto prazo e diminui a deterioração da função erétil em longo prazo. Além disso, a perda de peso em homens com sobrepeso ou obesos através de mudanças no estilo de vida, incluindo dietas hipocalóricas e hipercalóricas, parece melhorar sua função erétil.

Outros estudos demonstram associações atraentes entre dieta e padrões alimentares e saúde sexual masculina. A pesquisa mais convincente diz respeito à dieta e disfunção erétil em que a dieta mediterrânea e grupos alimentares mediterrâneos parecem melhorar ou pelo menos diminuir sua progressão, enquanto a perda de peso, através de dietas de baixa caloria e baixo teor calórico, alivia a Disfunção Erétil em homens obesos ou com excesso de peso. Além disso, a perda de peso com dietas de baixo teor de gordura e baixa caloria em homens obesos ou com excesso de peso pode melhorar os níveis de testosterona, e os níveis de testosterona podem diminuir em homens saudáveis nessas dietas.

Alguns alimentos possuem características físicas ou tem alguma ação vasodilatadora, isso não quer dizer que apenas comendo esses alimentos você já terá o desejo e a potência, mas a integração deles com a dieta e um métodos de tratamento regular

Ostras: Quando se fala em alimentos que aumentam o desejo, a ostra é a primeira que surge, ainda mais em regiões litorâneas. Além de ser afrodisíaca, ela aumenta a produção de testosterona e reduz a de prolactina, hormônio que está ligado à impotência sexual. Devido a quantidade de zinco que existe no alimento

Banana: é fonte de nutrientes, como vitaminas do complexo B e a enzima bromeliade, que contribuem para o aumento da libido masculina.

Tangerina: assim como outros alimentos cítricos como, laranja, são fonte rica em uma substância chamada folato, que ajuda a regular o humor e pode deixar a pessoa mais animada para ter uma relação sexual.

Chocolate: sabemos que ele já tem um apelo sensual pela sua imagem, mas o chocolate não apenas aumenta a produção de serotonina (o hormônio do bem-estar), como também contém um estimulante chamado alcalóide, que proporciona mais energia e libido. Preferíveis chocolates amargo ou com 70% de cacau.

Amêndoas: As amêndoas e outras oleaginosas são ricas em zinco, selênio e vitamina E, substâncias que aumentam os níveis de hormônios masculinos, logo, o desejo sexual. 


Quer saber mais sobre as dietas que existem? abaixo listamos algumas principais, mas não descarte a possibilidade de uma conversa com nutricionista para ajustes ou criação de um plano alimentar: 


Dieta Ocidental

Uma dieta ocidental é geralmente rica em carnes vermelhas e processadas, laticínios, grãos refinados, doces processados e artificiais, e sal com consumo mínimo de frutas, legumes, peixe e grãos integrais. A dieta ocidental, por causa de sua natureza predominantemente processada, é cada vez mais barata e relativamente fácil de obter devido à industrialização e à globalização. Há cada vez mais evidências validando os prejuízos à saúde da dieta ocidental. A adesão a uma dieta ocidental tem sido associada ao aumento dos riscos de mortalidade total e múltiplas doenças, incluindo doenças cardiovasculares, obesidade, síndrome metabólica, acidente vascular cerebral, doença renal crônica e câncer de mama, cólon e próstata.

Dieta mediterrânea

A dieta típica do Mediterrâneo consiste em peixes, gorduras monoinsaturadas como azeite de oliva, frutas, legumes, nozes, legumes e grãos integrais. Está dieta vem ganhando cada vez mais popularidade nas últimas décadas, pesquisas mostram os crescentes benefícios à saúde em relação a esta dieta. Estudos mostra que a dieta mediterrânea está associada não apenas só a baixa incidência de Diabetes Mellitus do tipo 2, baixo riscos de morbidade e mortalidade por doença coronariana e acidente vascular cerebral, e também com baixa incidência de maiores eventos cardiovascular e entre outras doenças. Estudos têm mostrado que a adesão a essa dieta reduz o risco de mortalidade de modo geral, doenças cardiovasculares, doença coronariana, infarto do miocárdio, incidência geral de câncer, doenças neurodegenerativas e o diabetes. Embora a dieta mediterrânea tenha muitas vantagens, não há estudos que apresente algum risco para a saúde.

Dieta Paleolítica

Embora a dieta paleolítica, também chamada de dieta Paleo, seja ancestral, ela foi recentemente revivida devido os estudos relatando seus benefícios à saúde e para quem é adepta a essa dieta. Ela consiste em carnes magras, alimentos à base de plantas, frutas, nozes e vegetais e o consumo restrito diário de laticínios, grãos, açúcar e sal. Reduz o de risco mortalidade em suas causas de modo geral e em causas específicas como, doenças cardiovasculares, síndrome metabólica e adenomas de colón têm sido associados à dieta paleolítica. Assim como na dieta mediterrânea, os benefícios à saúde são claros com a dieta Paleo, assim como a dieta mediterrânea não há estudo significativo que comprovem os riscos à saúde ao utilizar essa dieta.

Dietas vegetarianas e veganas

A dieta vegetariana é caracterizada pela ausência de produtos animais, especialmente carne vermelha, o que resulta em menor ingestão de gordura saturada e colesterol. A dieta vegetariana também pode ser subcategorizada em pesco-vegetariana (ausência de todos os produtos animais, exceto peixes), ovo-lacto-vegetariana (ausência de todos os produtos animais, exceto ovos e laticínios), ovo-vegetariana (ausência de todos os produtos animais, exceto ovos) e vegana (ausência de todos os produtos de origem animal). Uma infinidade de benefícios para a saúde vem com o consumo de uma dieta vegetariana. Na literatura é descrita como uma menor taxa de mortalidade por doença cardíaca isquêmica e menor incidência geral de câncer em vegetarianos em comparação com não vegetarianos. Estudos examinaram o efeito da carne vermelha ou processada e os resultados mostrou que há um risco aumentado na taxa de mortalidade total, mortalidade por doença cardiovascular, mortalidade por câncer, Diabetes Mellitus do tipo 2, câncer de mama, esôfago, estômago, colorretal, próstata e bexiga. Como os vegetarianos evitam o consumo de carne vermelha ou processada, a dieta vegetariana presumivelmente reduz os riscos de saúde associados à carne vermelha. Vegetarianos e veganos podem desenvolver deficiências de proteínas e vitaminas (cálcio, B12, ferro, ácidos graxos ômega-3), podendo ser monitorado e/ou suplementado com vitaminas em suas dietas.


Viu como podemos ter vários modo de alimentar e que essas dietas contribuem diretamente como está sua performance sexual. Pensou que algum alimento pode te ajudar? Converse com nossos consultores clínicos eles podem ajudar a encaixar os métodos de tratamentos com sua alimentação!

Credibilidade e Confiança

logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon