Tecnologia e saúde: uma realidade Dr. Pocket

about

Não é novidade para ninguém que a constante evolução da tecnologia está cada vez mais presente no nosso dia a dia, facilitando a rotina. O que nem todo mundo tem real noção ainda, é que a tecnologia vem se tornando uma aliada cada vez mais eficiente na área da saúde, seja através do uso de ferramentas na rotina médica ou ainda com o uso da inteligência artificial, otimizando metodologias de diagnóstico e tratamento de pacientes ao redor do mundo e trazendo uma verdadeira revolução na área da medicina.


Quer saber como a tecnologia se tornou um poderoso alicerce, proporcionando processos automatizados aos profissionais e aos pacientes, e tornando a saúde mais acessível a todos? Acompanhe abaixo o conteúdo completo e conheça um pouco mais sobre como toda essa inovação move o setor de saúde e como a Dr. Pocket trabalha de maneira automatizada a serviço da sua saúde íntima.


A tecnologia presente nos métodos de saúde da Dr. Pocket


Quem nos acompanha já sabe que, para nós, a tecnologia é uma aliada importante. Aqui na Dr. Pocket, o avanço tecnológico é uma das nossas principais motivações. Com a união dessa tecnologia e da saúde, surgiu um propósito: como oferecer saúde íntima e qualidade de vida ao maior número de pessoas possível, de maneira acessível, segura e simplificada?


Um bom exemplo de como toda essa modernização está presente no processo, é nossa metodologia de pré-diagnóstico, feita virtualmente. É através do meio digital que estabelecemos nossos primeiros contatos com quem nos procura precisando de soluções em saúde íntima.


Ao entrar no nosso site, o paciente pode preencher uma avaliação clínica gratuita, a fim de que nosso sistema faça uma triagem inicial, digitalmente, e nos apresente cada caso devidamente classificado.


Através desse pré-diagnóstico virtual, o paciente então é contatado por um dos nossos profissionais e nossa equipe inicia um método humanizado de consulta, a fim de conhecer melhor cada caso através do diálogo. O atendimento, então, parte para o diagnóstico, identificando qual a origem da insatisfação desse paciente, a fim de dar continuidade ao método de tratamento mais adequado para seu quadro. Dependendo do caso, é indicado um produto para a necessidade do paciente, podendo ainda ser recomendada uma consulta presencial com um especialista.


É muito importante lembrar que, mesmo podendo contar com toda a automatização de processos e com nossos sistemas, nunca abriremos mão de um atendimento verdadeiramente humanizado, que é pautado no cuidado com o paciente, estudando caso a caso.


A equipe de Consultores Clínicos é treinada para tratar cada quadro de maneira especial, se preocupando e buscando a melhor solução para cada paciente. Essa equipe, que realiza as primeiras etapas do atendimento, é composta pelos seguintes profissionais, que você pode conhecer um pouquinho melhor lá no nosso site: Bárbara, Dayane, Jéssica, Luiz, Matheus, Daiane e Ângela.


Logo após as primeiras etapas do atendimento, o paciente é redirecionado para o especialista ideal para a solução do seu caso, de acordo com a origem da insatisfação da sua condição e do diagnóstico prévio identificado.


Nosso quadro de especialistas clínicos é composto pelos seguintes profissionais:


  • Dr. Christian de Q. Chaves - Médico (CRM 28701/RS | CRM 24064/SC)

  • Nayara da Silva Franco - Biomédica

  • Maria Eduarda - Comunicação

  • Amábile de Christo Muller - Farmacêutica

  • Emanuela de Simas Neves - Acolhimento

  • André Peres - Educador físico, Especialista em Fisiologia do Esporte (CREF: 019603 G/RS)


Você também pode conhecer um pouco melhor esses especialistas no nosso site.


Metodologias de Tratamento e a inteligência artificial


A tecnologia não está presente apenas em ferramentas de trabalho, aparelhos eletrônicos, aplicativos e sistemas digitais de cadastro. Ela é extremamente eficiente na Medicina Diagnóstica, participando ativamente dos métodos de tratamento na prática. É comum, hoje, que esses sistemas altamente capazes façam uso de robôs e sistemas operacionais que já estão bastante avançados em relação ao armazenamento de dados e diagnóstico clínico, fazendo uso de inteligência artificial no aprendizado de máquina.


Esse aprendizado é exatamente o fator que vem auxiliando cada vez mais no dia a dia dos profissionais da área da saúde, na elaboração de diagnósticos mais assertivos e completos. Essas inteligências artificiais aprendem a analisar dados e históricos de saúde, identificar sintomas e sinais, e a tomar decisões antecipadamente ao diagnóstico manual, feito pelo médico. Esse método digital tem uma previsão de acerto de 90%, segundo matéria do portal G1, e fornece uma quantidade de dados muito maior do que o médico poderia ter acesso em tempo real, durante o atendimento e o estudo de diagnóstico, enriquecendo todo o processo.


Esses avanços visam tanto facilitar e otimizar os métodos de diagnóstico e tratamento dos estabelecimentos de saúde e dos profissionais da área, quanto levar mais qualidade de vida e facilidade no tratamento aos pacientes. Além de facilitar, o propósito também é evitar, por exemplo, procedimentos arriscados que seriam desnecessários, otimizando o tratamento e a recuperação do paciente e agilizando exames e resultados.


Saúde e tecnologia na mídia


Como mencionamos anteriormente, vale lembrar que, apesar de a tecnologia fazer uso de algoritmos para agilizar e otimizar todo o processo de diagnóstico clínico e de tratamento, tornando as metodologias muito mais eficientes, a decisão final ainda é do médico no diagnóstico clínico. O fator humano, afinal, ainda é a chave para um tratamento de sucesso aliado ao que a tecnologia tem de melhor a oferecer, pois é o profissional que está acompanhando o paciente e cada caso em tempo real, para entender se as soluções propostas pelo sistema são realmente a melhor opção no tratamento.


No início do mês de outubro, o portal do G1 publicou uma matéria sobre o uso da inteligência artificial nos serviços de saúde, conforme citamos anteriormente. Na matéria, o médico Erick Siqueira Campos de Oliveira reforça que “(...) existem variáveis que não são analisadas e não são vistas pelos cálculos do robô, mas que precisam dessa relação humana. (...) Daí a importância de a gente ter um instrumento que processa esses dados e traz informações validadas, para que a gente possa atuar dentro da decisão terapêutica”, continuou o médico.”.


Confira a matéria completa no G1 e continue acompanhando nossos canais para ficar por dentro do que a Dr. Pocket oferece em saúde sexual, e faça uma avaliação gratuita no nosso site para dar o primeiro passo em direção à melhora da sua qualidade de vida.


Dr. Pocket: perto de você em qualquer lugar.

Credibilidade e Confiança

logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon
logo-icon